Os mecanismos que movimentaram as forças políticas nas manifestações de 2013, o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff, a prisão do ex-presidente Lula e a eleição do de Jair Bolsonaro em 2018 são analisados no livro Guerra híbrida e neogolpismo no Brasil: geopolítica e luta de classes no Brasil (2013-2018), lançado pela Editora Expressão Popular.

A partir do conceito de guerra híbrida, Mendes avalia a influência da elite brasileira nas pautas, amplificadas pela mídia hegemônica, das manifestações de 2013 e 2016 e no lawfare praticado pelo ex-juiz Sergio Moro na Operação Lava Jato.

O golpe que tirou Dilma Rousseff da Presidência, ao qual o autor inclui no fenômeno do neogolpismo, é um desdobramento da guerra híbrida. Sem usar a violência explícita das Forças Armadas, essa modalidade de golpe foi armada dentro das instituições jurídicas e legislativas, insufladas pela mídia hegemônica e reverberadas nas multidões vestidas de verde e amarelo que foram às ruas em 2016.

Ideologia das elites

De forma didática, Mendes faz uma análise bem fundamentada da luta política atual no Brasil e a sua relação com as disputas dos países imperialistas, contribuindo inclusive para entender a atual situação da Ucrânia e os interesses estadunidenses manifestos através das ações da OTAN na região.

Ao realizar a pesquisa baseada em ampla variedade de fontes (livros, artigos acadêmicos, entrevistas conduzidas pelo próprio autor ou por terceiros e material da imprensa), o autor mostra o papel central da ideologia neoliberal das elites brasileiras, muito alinhadas com o imperialismo das elites dos EUA. Tal identificação facilitou a implantação da guerra híbrida no Brasil sem uma interferência direta dos EUA, levando ao golpe e à ascensão de governos submetidos às pautas imperialistas.

Guerra híbrida e neogolpismo no Brasil é imprescindível por ser clara e humana ao dar nome aos instrumentos de dominação que estão presentes na disputa política de 2022. Esses recursos teóricos são fundamentais para a luta contra o fascismo e a opressão imperialista. Para Mendes, essa luta se fundamenta numa sociedade acolhedora, que tem uma democracia realmente participativa e plural, fundamentada na defesa da soberania e na autonomia do povo.

Sobre o autor
Mateus Mendes é bacharel em Geografia (UFF), mestre em Ciência Política/Relações Internacionais na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni Rio), doutorando em Economia Política Internacional na UFRJ professor da Rede Municipal de Duque de Caxias. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Relações Internacionais e Sul Global (GRISUL-Uni Rio), atua nas áreas de Ciência Política, Relações Internacionais e Geografia Política Pesquisa sobre hegemonia, geopolítica, instabilidade política na América Latina, neogolpismo e guerras híbridas.

FICHA TÉCNICA
Título: Guerra híbrida e neogolpismo: geopolítica e luta de classes no Brasil (2013-2018)
Autor: Mateus Mendes
Edição: 1ª
Editora Expressão Popular
Número de páginas: 224
Formato: 14x21 cm