Sobre o artigo “O plano econômico que está sendo desenhado para Lula”, publicado pelo GGN nesta sexta-feira (20), esclarecemos que:

1 - É incorreta a insinuação de que a elaboração de um plano econômico com foco na criação de garantias públicas para investimentos privados conte com uma suposta resistência do presidente da Fundação Perseu Abramo (FPA), Aloizio Mercadante.

2- Além disso, é falsa a ilação de que haveria resistência ao debate de garantias dentro da FPA e entre seus colaboradores. Essa temática foi trazida ao debate no âmbito do NAPP-Economia por diferentes interlocutores e está sendo alvo de um processo de elaboração colaborativa, visando a formulação de uma proposta robusta que possa ser oferecida para a coordenação da campanha e aos candidatos.

3- A prova da inexistência de resistência a proposta pode ser encontrada em manifestações públicas do próprio presidente da FPA, em que Mercadante trata a proposta de garantias como uma boa opção para a ampliação dos investimentos.

4 - Da mesma forma que ocorreu em reportagem anterior do mesmo GGN, em que foi inicialmente imputada responsabilidade aos “economistas do PT” e a liderança de Aloizio Mercadante a formulação de uma proposta para criação de um fundo de estabilização do preço dos derivados de petróleo, o recente artigo não condiz com a realidade do que está sendo discutido dentro da FPA e seus núcleos.

5- Daquela feita, o senador Rogério Carvalho escreveu uma nota revelando o equívoco do artigo e esclarecendo a forma como a proposta havia sido construída. Desta vez, cabe a esta nota esclarecer novamente o processo de formulação propositiva e o papel de Aloizio Mercadante e do NAPP-Economia neste tema.

6- Esperamos que este novo esclarecimento seja devidamente divulgado e nos colocamos a disposição para futuramente esclarecer eventuais dúvidas sobre o processo de formulação e elaboração propositiva, evitando assim a repetida divulgação de informações equivocadas.

William Nozaki, Centro de Altos Estudos da Fundação Perseu Abramo (CAE – FPA)

Guilherme Mello, coordenador do Núcleo de Acompanhamento de Políticas Públicas de Economia (NAPP – Economia)