Faleceu ontem em São Paulo, aos 64 anos, Mario Wendel Abramo, filho de Perseu e Zilah Abramo, pai de Marcos, Ana e Lucas e avô de Quim e Gael. Pessoa extremamente inteligente e sensível, matemático de formação e inspiração e programador de profissão, foi militante do movimento estudantil da USP nos anos 1970 e participou ativamente das greves dos funcionários públicos nos anos 1980.

Grande mestre dos origamis, amante das histórias em quadrinhos, dos quebra-cabeças, da boa música, da boa literatura e das artes em geral, lutava há vários anos contra uma complexa enfermidade vascular. Nesse processo demonstrou enorme coragem, resiliência, capacidade de resistência e amor pela vida.

"Caminhamos juntos desde 1973. No início dos anos 1970, algumas lideranças estudantis tinham reuniões com Perseu na garagem da casa da Lapa, onde moravam. Uma vida de luta, juntos e misturados, são uma família muito, muito especial. Apesar de eu pertencer à geração de luta estudantil da Laís, o Mario e a Lena estavam próximos", lembrou o presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante.