Segundo o estudo Carta de Conjuntura publicado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), os idosos estão retardando sua saída do mercado de trabalho. Publicado em junho de 2018, com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), o estudo comparou dados do primeiro trimestre de 2012 e 2018, segundo faixas etárias.

Entre os resultados da Carta de Conjuntura destaca-se o fato de que as pessoas com 60 anos ou mais vem aumentando sua participação na ocupação ao longo do tempo, passando de 6,3% em 2012 para 7,8% em 2018. O aumento dos mais velhos na força de trabalho não ocorre pelo crescimento da quantidade desses trabalhadores que estão abandonando a inatividade e voltando ao mercado de trabalho, mas porque vem recuando a parte de idosos que optam em deixar a força de trabalho e ir para a inatividade.

A análise do Ipea indicou dois fatores para permanência dos idosos no mercado de trabalho: necessidade de garantir a renda familiar e aumento da expectativa de vida do brasileiro. Esse cenário mostra a situação de vulnerabilidade dos trabalhadores frente a política de austeridade do governo golpista de Temer, fazendo com que os mais velhos continuem trabalhando para complementar a renda familiar frente a estagnação econômica e a insegurança da aposentadoria.