O recente referendo onde a Catalunha decidiu por sua independência da Espanha e a consequente declaração de independência aprovada pelo parlamento catalão em 27 de outubro aqueceram a discussão independentista em outras partes do país, bem como em algumas outras regiões europeias.

Ao assumir o controle da Catalunha nesta segunda, 30 de outubro, o governo central de Madrid testa sua autoridade e dá uma resposta enérgica à região, e indiretamente às demais. A Espanha possui atualmente pelo menos dez regiões que, em diferentes graus de organização e determinação, clamam por independência. Caso todas se desmembrassem do país, o mesmo perderia mais de 60% de seu território e aproximadamente 70% de sua população atual.

A região atual da Catalunha é apenas uma das que concentram o povo catalão. O movimento “independentismo catalão” é uma corrente política organizada que pretende criar os Estados Federados (ou Unidos) Catalães, que também agregaria as comunidades de Valência, das Ilhas Baleares, e outras do lado francês. Vale lembrar que o pequeno país vizinho, Andorra, é o único onde a língua oficial é o Catalão.

Como pode-se observar no mapa, as demais regiões separatistas são:

- Andaluzia: Localiza-se ao sul e é a mais populosa do país, com cerca de 8 milhões de habitantes, que falam castelhano. As principais cidades são Sevilha e Granada. Os movimentos separatistas locais pretendem transformar a comunidade no Estado (independente) de Andaluzia. Alguns movimentos mais radicais pretendem resgatar um território histórico, que agregaria também a comunidade de Múrcia e territórios vizinhos, em Portugal;

- Aragão: Com uma população de aproximadamente 1,3 milhão de pessoas, localiza-se no nordeste do país e possui como língua oficial o aragonês e o catalão, além do castelhano, comum à todas as regiões do país. A principal cidade da região é Saragoça. Os movimentos separatistas locais pretendem criar o Estado Aragão;

- Principado das Astúrias: Localiza-se no extremo norte do país e possui pouco mais de 1 milhão de habitantes. Também são línguas oficiais o austuro-leonês e o galego-português. A principal cidade é Oviedo. Os movimentos separatistas locais pretendem criar a República Socialista de Astúrias;

- Cantábria: Também localiza-se no extremo norte do país, entre as Astúrias e o País Basco. Os pouco mais de 500 mil habitantes falam principalmente castelhano, mas também cantábro. Sua principal cidade é Santander. O movimentos separatistas ainda são incipientes, lutando principalmente por mais autonomia para sua comunidade;

- Galícia: Situada no noroeste do país, na divisa com Portugal, seus 2,7 milhões de habitantes também falam galego-português. Santiago de Compostela é a capital da comunidade. O movimento “independentismo galego” busca criar a República Galega, ou ainda, a Portugalícia;

- Ilhas Canárias: são um arquipélago espanhol no Oceano Atlântico, na altura de Marrocos, na África. Possui aproximadamente 2,2 milhões de habitantes que falam castelhano. As sete ilhas principais se organizam em duas províncias, Las Palmas e Santa Cruz de Tenerife. O movimento independentista busca criar o país Ilhas Canárias;

- La Rioja: Localizada no norte do país, e também organizada enquanto comunidade autônoma, é a menor comunidade do país, com pouco mais de 300 mil habitantes, que falam castelhano. Metade destes vivem na sua capital, Logroño. Os nacionalistas de La Rioja lutam mais por maior autonomia do que por independência da Espanha.

- Leão: Posicionada no centro-norte do país, a região congrega as províncias de Leão, Zamora e Salamanca, onde vivem aproximadamente um milhão de habitantes. Além do castelhano, as línguas faladas são o austuro-leonês e o galego-português. Atualmente Leão faz parte da comunidade Castilha e Leão. Sua principal articulação é para separar-se de Castilha e formar uma comunidade única. Os movimentos independentistas da Espanha na região são incipientes.

- País Basco: a comunidade situada no norte da Espanha conta com uma população de 3,6 milhões de pessoas, quando agregada a comunidade vizinha, Navarra. Além do castelhano, é muito falado o euskera, ou basco, e em menor grau, o francês, já que o povo basco ultrapassa a fronteira do país. A principal cidade é Bilbau, com quase 350 mil habitantes. A comunidade basca foi a que mais lutou por sua independência nas últimas décadas, tendo inclusive a organização terrorista ETA, que em 2017 anunciou seu desarmamento total, lutado e organizado diversos atentados nas últimas décadas por esta causa. Com os últimos acontecimentos na Catalunha, o grupo ETA declarou que o País Basco deve seguir os passos da Catalunha, por vias democráticas.