Entre os sucessos que um estudo da Unicef destaca estão a queda, de 1990 a 2013, pela metade da mortalidade infantil (de 90 para 43 por mil nascidos vivos)

Ano 3 – nº 182 – 24 de junho de 2015

Unicef: avanços e deficiências para as crianças de todo o mundo

Relatório da Unicef lançado nessa semana mostra os avanços alcançados em relação às crianças no mundo a partir da instituição dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, mas também mostra em quais quesitos ainda há grandes deficiências.

Entre os sucessos que o estudo destaca, de 1990 a 2013, estão a queda pela metade da mortalidade infantil (de 90 para 43 por mil nascidos vivos), queda de 41% da desnutrição infantil e queda de 45% da mortalidade materna.

Quanto a domicílios, em 2013, o gráfico abaixo mostra que 31,2 milhões de domicílios tinham acesso à internet (48,0% do total de domicílios particulares permanentes): desde 2004, a utilização da internet nos domicílios brasileiros tem crescido com grande velocidade, como mostra o gráfico.

Como deficiências que permanecem, o estudo destaca a desigualdade entre crianças de famílias ricas e pobres, especialmente nas seguintes questões: i) crianças dos lares mais pobres têm duas vezes mais probabilidade de morrer antes do quinto aniversário que crianças dos lares mais ricos; ii) crianças provenientes de lares mais pobres têm probabilidade muito menor de atingir os níveis mínimos educacionais; iii) na maioria dos países da África Subsaariana, meninas provenientes de lares mais pobres continuam com menores índices de participação escolar; iv) garotas adolescentes são desproporcionalmente afetadas pelo HIV, representando 2/3 de todas as novas infecções entre adolescentes em 2013. Ainda, dados quanto à porcentagem de pessoas vivendo com menos de US$ 1,25 diário (consideradas extremamente pobres segundo a classificação do Banco Mundial) em 2010 mostram que 47% dos atingidos pela pobreza extrema eram crianças: do total de extremamente pobres no mundo, 34% eram crianças de menos de 12 anos e 13% adolescentes de 12 a 18 anos.

O estudo enfatiza que, se seguidos os ritmos de desenvolvimento atuais, até 2030, no mundo, haverá muito pouca redução no número de crianças fora da escola; ainda haverá 119 milhões de crianças desnutridas; e 68 milhões de crianças morrerão de doenças de fácil prevenção: ou seja, é preciso acelerar o ritmo de melhora de diversos índices relativos à infância e adolescência no mundo.

O estudo tem o objetivo não só de mostrar os avanços e grandes desafios quanto às questões que afetam as crianças no mundo, mas também visa mostrar possibilidades de inclusão de pautas importantes para a infância e adolescência na definição dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que substituirão os ODM a partir deste ano.

Para ler mais:

Progress for children. Beyond averages: learning from children
leia mais

 
* As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade da sua autora, não representando a visão da FPA ou de seus dirigentes.
 
 
 
FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
Rua Francisco Cruz, 234 – Vila Mariana – CEP 04117-091 – São Paulo – SP – Brasil – Fone: (11) 5571-4299 – Fax (11) 5573-3338
Agência FPA: Imprensa – [email protected]
Para cancelar o recebimento deste email clique aqui