A secretária de Relações Internacionais do PT e da Fundação Perseu Abramo, Iole Ilíada, reafirmou ontem, na plenária final do XVII Foro de São Paulo, a importância do Foro no momento em que se debatem as possibilidades de avanços para um profunda mudança de época. Ela enfatizou que os integrantes do Foro e que se encontravam ali em Managua foram aqueles que resistiram e lutaram contra as ditaduras; que combateram o neoliberalismo em um momento em que se dizia que a historia havia acabado e a esquerda estava derrotada, e Cuba era uma experiência isolada, que muitos acreditavam que não resistiria. Mas que hoje governavam um número considerável de países na América Latina e Caribe e estão promovendo mudanças efetivas.

 


Iole Ilíada fala na plenária final do Foro de SP (Foto: Reiko Miura)

 

Esta é uma mudança política da qual não resta dúvida. Iole citou a fala de Lula no FSP, que disse que a esquerda provou que governa com mais competência que a direita. "Esse é um fato incontestável, e a forma como enfrentamos a crise é um exemplo disso", concluiu a dirigente.

Apesar desses avanços, Iole ressaltou que ainda há muito por fazer, como avançar na democracia, no fim das desigualdades, em reformas estruturais que distribuam riquezas, no fim da violência contra o povo latino-americano e caribenho, na conquista da soberania para todos e na integração regional. 

"Nós não queremos só melhorar nossos indicadores, mas construir um sistema com igualdade e justiça social, e sabemos que isso só será possível a partir do que formos capazes de fazer aqui e agora para acumular forças", ressaltou Iole.

Para a dirigente do PT e da FPA são três os pontos fundamentais para avançar: realizar transformações ainda mais profundas; ganhar as eleições onde ainda governa a direita, o que implica reeleger nossos candidatos onde já governamos; e não esquecer que a esquerda e o campo progressista tem inimigos, que são poderosos e que se sentem ainda mais incomodados quanto mais a esquerda avança.

Segundo Iole, por tudo isso é que o Foro de Sao Paulo é tão importante. "Quando dizemos que a unidade nos faz fortes, não se trata apenas de uma bela frase. É uma necessidade para nós que queremos efetivamente uma transformação de época e de sistema", concluiu a dirigente petista.