O projeto

Difusão do Conhecimento é um projeto de formação criado pela Fundação Perseu Abramo em 2014. Desde sua criação, o projeto segue uma trajetória de ampliação no número de cursistas, de territórios atendidos e eixos temáticos.

Entre 2014 e 2018, mais de 16 mil pessoas foram inscritas em nossos cursos. Em 2019, a meta é dialogar com mais pessoas, adequando os programas educacionais às demandas atuais, ao contexto político e às novas necessidades de organização e formulação do Partido dos Trabalhadores e dos movimentos sociais alinhados às propostas do programa.

Para alcançar militantes por todo o Brasil, os cursos foram estruturados no formato semipresencial, com duração de três meses, com encontros presenciais entre participantes, professores, lideranças políticas e tutoria combinados com atividades em uma plataforma de Educação a Distância – EaD.

Para acompanhamento das atividades EaD, a Fundação Perseu Abramo utiliza Moodle, uma plataforma livre, própria para atividades de ensino e aprendizagem, que vem sendo utilizado por diversas instituições e universidades em todo o mundo.

Objetivos principais:

Congregar a militância de esquerda (organizada partidariamente ou não) para um debate político sobre o Estado brasileiro, políticas públicas, pensadores clássicos, movimentos sociais, sindicalismo, análise de conjuntura e planejamento; e
refletir sobre as estratégias de organização da militância no contexto pós-golpe de 2016 e do novo governo que assumiu em 2019.

Público esperado:

Militância petista ou do movimento sindical, dos movimentos sociais, da juventude e do movimento estudantil que sem ser filiada tenha proximidade com o partido. Não é necessária a formação universitária, mas é preciso ter acesso e conhecimentos básicos das ferramentas de Internet, demonstrando disponibilidade e interesse para o aprendizado.

 

Os cursos

Organização e desafios para a ação política de esquerda

Para os movimentos e organizações que estão na resistência ao fascismo e retrocesso político e enfrentando governos opressores e antidemocráticos.

Governar e organizar a partir da crise

Para as prefeituras em que o PT está presente; companheiras e companheiros, assim como parceiros e movimentos sociais envolvidos na gestão.

Comunicação e política

Direcionado para militantes petistas (e do campo petista) interessados em compreender o cenário atual e atuar em frentes de comunicação e no apoio aos Diretórios Estaduais e Municipais na estruturação de estratégias de organização.

Os desafios da questão agrária

Direcionado para os interessados em compreender as desigualdades sociais e econômicas por meio da análise da história da terra e do direito agrário, com o objetivo de fomentar estratégias de enfrentamento a partir de novas metodologias e processos.

Como fazer análise de conjuntura

Para organizações e movimentos do campo da esquerda, que buscam compreender como as influências históricas, políticas e ideológicas se relacionam e atuam em um dado quadro político e social, com objetivo de traçar ações em um plano organizativo.

 

Cursos com inscrições abertas

Clique nas imagens para mais informações:

Equipe

Dulce Helena Cazzuni

Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade São Judas Tadeus e em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, é especializada em Didática do Ensino Superior por essa Universidade. É mestre em Gestão e Políticas Públicas, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), tendo sua tese de mestrado premiada pela qualidade e relevância do tema trabalhado.

Após alguns anos de experiências na área financeira, ingressou na gestão pública em 1989, quando assumiu a concepção e execução do Projeto Habitacional Renda Média, da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB), na Prefeitura de São Paulo.

De 1995 a 1999 participou da reestruturação e consolidação do Sistema Nacional do Emprego (SINE), na Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho, do estado de São Paulo. Nesse período também foi pesquisadora sênior do Departamento de Estudos Socioeconômicos e Políticas da Central Única dos Trabalhadores (DESEP/CUT Nacional).

Entre 2001 e 2004 fez parte da equipe responsável pela concepção e criação da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade (SDTS) e da Política Pública de Trabalho Emprego e Renda, na prefeitura de São Paulo.

Em 2005, iniciou suas atividades na prefeitura do município de Osasco à frente do processo de reestruturação da Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão (SDTI) e implementação das Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda.
Em 2011, a convite do governo federal, tornou-se colaboradora na concepção do Plano Brasil sem Miséria, criado pelo Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome. Retorna a Osasco após a conclusão do projeto e fica à frente da SDTI até o fim de 2012.

Em 2013, tornou-se Secretária Municipal de Governo de Osasco. No mesmo ano participou ativamente da criação da Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG), da qual foi secretária até 2017.

Possui diversas publicações no campo das políticas públicas de emprego, trabalho e renda, entre as quais destacam-se Atlas da Exclusão Social de Osasco, de 2007; Inclusão Social com Geração de Ocupação e Renda, de 2008. Também foi uma das organizadoras do livro Planejamento Público e Gestão por Resultados: uma experiência municipal aplicada, publicado em 2016 pela editora Hucitec.

Alê Almeida

Ativista do movimento de mulheres negras, educadora, mestre em ciência política. Pesquisa políticas públicas de correção; democracia e cidadania; relação entre Sociedade Civil Organizada e Estado, com ênfase nas estruturas de gênero, raça e classe. É membro da Área de Conhecimento da Fundação Perseu Abramo desde 2014, administra e gerencia o sistema EaD desde 2016 e em 2019, passou a integrar a equipe do projeto Difusão de Conhecimento.

Laura Martin

Ingressou em Economia em 2014, mudou de curso e foi para a USP estudar Bacharelado em Letras com habilitação em Português/Francês. Militante petista desde a juventude. Foi coordenadora de agenda na campanha eleitoral de 2012; atualmente no movimento estudantil, milita na juventude petista e integra a equipe do Curso de Difusão de Conhecimento em Gestão Pública na Fundação Perseu Abramo. E-mail: [email protected]

Priscila Moreira

[...]

Toni Cordeiro

Estatístico e Mestre em Administração com ênfase em Gestão e Negócios, Pesquisador em Gestão Pública e criador do Blog Gestão Pública Social (http://gestaopublicasocial.blogspot.com). Coordenou o Programa de Capacitação Continuada em Gestão Pública da FPA de 2013 a 2016. Desde de 2017 integra a Equipe do Projeto de Difusão do Conhecimento e em 2019 integra também como Estatístico a Rede Nacional de Pesquisadores Associados da FPA. E-mail: [email protected]

Gustavo Carneiro Vidigal Cavalcanti

Formado em Ciências Sociais pela USP, com mestrado em Sociologia pela mesma universidade. Secretário Adjunto no Ministério da Cultura entre 2008 e 2010, Chefe de Gabinete do Prefeito Fernando Haddad em 2013 e Secretário Adjunto da Secretaria de Relações Internacionais e Federativas da PMSP entre 2015 e 2016. Professor visitante na EACH USP em 2009, professor da Escola da Cidade em 2017 e professor da Escola Paulista de Direito de 2016 a 2019. Ingressou na equipe do Projeto Difusão do Conhecimento em 2019.

 

O curso em sua localidade

Levar os cursos de Difusão do Conhecimento da Fundação Perseu Abramo para sua cidade é simples: basta que o Diretório Estadual do PT ou o movimento local, em conjunto com a equipe do curso, definam a data de abertura e realize a mobilização para as inscrições. O contato da equipe do curso é [email protected]

Não há custos envolvidos, mas, para que o curso possa ser iniciado, é necessário que haja, no mínimo, 50 inscritos até uma semana antes da data da aula inaugural.

A equipe da FPA estará presente nessa primeira atividade presencial de abertura. As inscrições serão abertas assim que for definida a data da aula inaugural.

Todos os participantes deverão se inscrever no site da FPA: http://difusao.fpabramo.org.br/inscricoes/

ATENÇÃO: a inscrição individual dos participantes no site é obrigatória. Sem isso não será possível inserir os participantes na plataforma do curso. Com base nessas inscrições saberemos se há o mínimo necessário de participantes para iniciar o curso.

Todos os participantes inscritos receberão orientações, via e-mail e também na aula inaugural, sobre o funcionamento do curso, o passo a passo para acesso à plataforma digital do curso, sobre a realização das atividades e a certificação.