O sindicalista comunista Wagner Gomes faleceu nesta terça-feira, 10 de agosto de 2021, em sua casa vítima de um infarto fulminante.  A notícia da morte súbita do secretário-geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil abalou o sindicalismo brasileiro e provocou intensa comoção na militância e direção da entidade na véspera de seu V Congresso.

Paulista nascido na cidade de Araçatuba, em 1957, Wagner foi para a capital do estado na década de 1970. Operador de trens do Metrô em São Paulo, foi presidente do Sindicato dos Metroviários de 1989 a 1995 e de 2009 a 2011. Primeiro presidente da CTB, eleito no congresso de fundação da central em 2007 e reeleito no II Congresso em 2009.

Com atuação partidária no PCdoB, foi dirigente nacional do partido. Em 2002, na campanha ao Senado por São Paulo, fizemos dobrada pelo campo popular. Wagner foi um grande companheiro de luta e inesquecível parceiro de campanha. O movimento sindical e os trabalhadores perderam uma grande liderança e eu um amigo. Ficará o exemplo.

Sergio Nobre, presidente da Central Única dos Trabalhadores e conselheiro da FPA, também considera a perda irreparável: “Wagner foi um dos grandes amigos que fiz no movimento sindical e um dos grandes responsáveis pela unidade de ação das centrais sindicais”.

No momento que os trabalhadores do país têm enfrentado tantos reveses, desemprego, desmonte de políticas e perdas de direitos, Wagner Gomes, que pautou sua vida pela defesa intransigente dos interesses da classe trabalhadora brasileira, fará muita falta.

No solidarizamos com a militância do PCdoB e da CTB.

Aloizio Mercadante,

presidente da Fundação Perseu Abramo